Kanga a Lukeni ou D.Garcia II -cerca de 1643 – Autor desconhecido, agradecimentos a

Este pomposo cidadão se chama Kanga a Lukeni, também conhecido como D.Garcia II, Manikongo(rei do Kongo) entre 1641 e 1644, por aí. Lukeni, um rei católico que se presume fosse irmão da Rainha de Matamba Nzinga Mbandi, foi o rei que enviou uma embaixada à Recife e Amsterdam. O quadro de autor desconhecido (com certeza um pintor holandês, talvez Albert Eckhout) é um retrato fiel, entre muitos outros feitos por holandeses na época.

A história do Kongo desta época coloca por terra todas as depreciações que a história dos povos bantu da área de Angola e do Zaire atuais sofrem no Brasil. Os dados para quem quiser vê-los são profusos. Já publiquei aqui retratos não menos fiéis de membros de uma destas embaixadas.

Esta enviada por Lukeni viajou no navio holandês levando presentes (ouro, panos e escravos) para Maurício de Nassau e para os próceres da Cia das Índias Ocidentais em Amsterdam. Segundo o amigo Totti Angola, angolano que mora na cidade, foi realizada em Amsterdam uma missa em recepção ao embaixador de Lukeni e Ginga.

Já acumulei bastante material de pesquisa sobre esta história empolgante (muitas fotos destes retratos já compartilhei aqui). O mais eletrizante é que a história acontece na mesma época em que o Kilombo de Palmares, habitado por conterraneos destes ‘angola-congueses’ crescia de poder e importancia por aqui.

Marcada por muita astúcia diplomática dos líderes angolanos (ou congoleses, sei lá) em suas relações de amor (diplomacia) e ódio (guerra) com portugueses e holandeses que, ao mesmo tempo, os assediavam com promessas de boas relações comerciais e invadiam como perdadores vulgares, a história tem estreita ligação com a história do Brasil.

(autor brazileiro)

Kanga the Lukeni or D.Garcia II-about 1643 – Author unknown, thanks to

This pompous citizen called the Kanga Lukeni, also known as D.Garcia II Manikongo (king of Kongo) between 1641 and 1644, there. Lukeni a Catholic king presumed to be the brother of Queen Nzinga Mbandi Matamba, was the king who sent an embassy to Recife and Amsterdam. The frame of unknown author (surely a Dutch painter, perhaps Albert Eckhout) is an accurate portrayal, among many others made by the Dutch at the time.

The history of this era Kongo puts away all the depreciation that the history of the Bantu area of Angola and Zaire current experience in Brazil. The data for those who want to see them are profuse. I have published here no less faithful portraits of members of these embassies.

This Lukeni traveled sent by the Dutch ship carrying gifts (gold, cloth and slaves) to Maurice of Nassau and the grandees of Cia West Indies in Amsterdam. According to the friend Totti Angola, Angolan living in the city, was held in Amsterdam on a mass reception to Ambassador Lukeni and Ginga.

Already accumulated enough research material on this exciting story (lots of pictures already shared these pictures here). The most exciting is that the story takes place in the same time the Kilombo Palmares, inhabited by these countrymen ‘Angola-congueses’ growing power and importance here.

Marked by a lot of diplomatic cunning Angolan leaders (or Congolese, whatever) in their love relationships (diplomacy) and hate (war) with Portuguese and Dutch at the same time, beset with promises of good trade relations and invaded as perdadores vulgar, history is closely linked to the history of Brazil.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here