BRAZIL COLONY – SOCIETY/Complement
Officially called the “parts”, slaves were reduced to the status of “working tools”, to which all rights were denied.

? “Setting the slave Following David Brion Davis, will point out three main features: 1). His person is owned by another man; 2) his will is subject to the authority of its owner; 3) your job is obtained by coercion Other authors would add such features only define a slave where transcend the boundaries of strictly family relationships: are not called slaves the children and wives exploited by parents and tyrannical husbands in patriarchal societies addition to the above, various other attributes stem from being the slave one. property. Their situation does not depend on the relationship you have with you in private, and is not limited in time and space. In other words, their condition is hereditary and property of their person is transferred by sale, gift, bequest , rent, loan, confiscation etc. This feature turns the slave legally a ‘thing’. He has no rights or legally family when the law recognizes the validity of religious marriage, as in colonial Brazil, this is often prevented by you. Lacks even, the right to own name, which the owner can change at any time. You can not legally own, bequeath, start process. And yet, its legal inability is not accompanied by criminal incapacity on the contrary, the slave are reserved the harshest punishments and torture.
The world of slaves was not smooth. , Is distinguished primarily between the captive newcomer Africa, ‘loutish: and the’ rogue ‘- African already acculturated and understand Portuguese. Africans were, as a whole, opposed to ‘Creole’ born in Brazil. There were also recognized distinctions between ‘nations’ of African origin differently valued. And given the miscegenation, the skin more or less clear was also differentiating factor. Mulattos and Creole Negroes were preferred for domestic, craft and supervisory tasks, leaving blacks, particularly Africans, the hard toil of the fields and other heavy tasks. “
(CARDOSO, Ciro FS. “The work in the colony.” In Linhares, Maria Yedda (ed.). General history of Brazil. Rio de Janeiro, Campus, 1990.)

Blacks captured in Africa were conducted for Brazil on slave ships called tumbeiros in whose holds were crammed and shall be subject to such unsanitary conditions that the average mortality rate was estimated to be between 15 and 20%. In each vessel were charged, on average, between 200 and 700 blacks.
It is estimated that only in the sixteenth century, about 1 million blacks were sent as slaves to the many American colonial ventures, and until the nineteenth century, no less than 25 million were captured by whites and moved to America. For Brazil went up close to 40% of slaves who came to America.
It is no exaggeration to estimate that the number of casualties involving transported slaves and those who died fighting white incursions or its consequences would reach something close to three times the African moved to America.
Most black Africans brought to Brazil belonged to the following main ethnic groups: Bantu, captured in Congo, Angola and Mozambique; Sudanese originating in Nigeria, Dahomey and Ivory Coast; and, to a lesser extent, the maleses, Sudanese converts to Islam, among which stood out the Hausa, group always be remembered for his constant insubordination and revolts continued. Sudanese went predominantly to Bahia and the Bantu, to Pernambuco, Minas Gerais and Rio de Janeiro.

The exploitation of black Africans was always accompanied by constant acts of rebellion, from assassination attempts of overseers and gentlemen to leaks and even suicides. Blacks who fled were persecuted by the captains of the woods, and many who were not recaptured ended up organizing free black communities, quilombos calls. There were over a hundred quilombos spread throughout the colony, especially in the Northeast, the main economic region of Brazil, where, until the eighteenth century, concentrating the largest number of slaves.

“A quilombo is a hideout of runaway slaves. It is necessary to distinguish it from the true insurrectionary movements organized against the white power. The quilombo want peace, only resorts to violence if attacked, was discovered by the police or army trying to destroy it, or if this is necessary for their survival. Quilombos and huts are constant in Brazilian landscape since the sixteenth century. Reaction against the slave system? Return the practice of African life off the domination of lords? protest against the conditions imposed on slaves, more than against the system itself, clear to the religious celebration? The quilombos are all at the same time. They arise from the very instability of the slave regime, organized labor without any fancy, the rigid severity, injustice and mistreatment. They represent a solution to all problems of inadequacy stunned slave between the white community and the black group. They spring up suddenly but with the power of numbers in a society of black majority and political organization totally unable to prevent this kind of marginal concentration. Maroons always find support and solidarity that enable them to live outside society. However, the quilombo is never the result of a premeditated plan; born spontaneously, can come together into one black and criolos refuge, slaves or free men, victims of some discriminatory law. Free and quilombo liners are often deserters, thieves, murderers, or simply men who have been denied the exercise of certain professions. Thus an extremely diverse population. In general, it hides in rural areas, in difficult access points, far from the cities, roads, crops. This is the case of the famous Quilombo of Palmares, located in the seventeenth century into the present state of Alagoas, owned at the time the captaincy of Pernambuco. The very famous mocambo of Pará, established around 1820 northeast of Manaus, in the river Trumpets forest. Some quilombos, however, are formed just outside the big cities. The Bahia’s Cabula, for example, was only destroyed by a military expedition in the early nineteenth century, it housed up in caves and woods of the hills surrounding Salvador northeast. “
(MATTOSO, Katia M. de Queirós. Being a slave in Brazil. São Paulo, Brasiliense, 1990.)

PTGS

BRASIL COLÔNIA – SOCIEDADE/Complemento
Denominados oficialmente de “peças”, os escravos eram reduzidos à condição de “instrumentos de trabalho”, aos quais todos os direitos eram negados.

“Como definir o escravo? Seguindo David Brion Davis, apontaremos três características principais: 1) sua pessoa é propriedade de outro homem; 2) sua vontade está subordinada à autoridade do seu dono; 3) seu trabalho é obtido mediante coação. Outros autores acrescentariam que tais características só definiriam um escravo nos casos em que transcendessem os limites das relações estritamente familiares: não são chamados escravos os filhos e esposas explorados por pais e maridos tirânicos em sociedades patriarcais. Além do exposto, diversos outros atributos decorrem de ser o escravo uma propriedade. A sua situação não depende da relação que tenha com um senhor em particular, e não está limitada no tempo e no espaço. Em outras palavras, sua condição é hereditária e a propriedade sobre a sua pessoa é transmissível por venda, doação, legado, aluguel, empréstimo, confisco etc. Esta característica transforma o escravo legalmente numa ‘coisa’. Ele não tem direitos nem família legal- quando a lei reconhece a validade do casamento religioso, como no Brasil colonial, este é com frequência impedido pelo senhor. Carece, mesmo, do direito ao próprio nome, que o dono pode mudar quando quiser. Não pode legalmente possuir, legar, iniciar processo. E, no entanto, sua incapacidade jurídica não é acompanhada pela incapacidade penal: pelo contrário, ao escravo estão reservados os castigos mais duros e a tortura.
O mundo dos escravos não era homogêneo. Distinguia-se, em primeiro lugar, entre o cativo recém-chegado da África, o ‘boçal: e o ‘ladino’ – africano já aculturado e entendendo o português. Os africanos eram, como um todo, opostos aos ‘crioulos’ nascidos no Brasil. Havia ainda distinções reconhecidas entre ‘nações’ africanas de origem, diferentemente valorizadas. E, dada a mestiçagem, a pele mais ou menos clara também era fator de diferenciação. Os mulatos e os negros crioulos eram preferidos para as tarefas domésticas, artesanais e de supervisão, cabendo aos negros, sobretudo os africanos, a dura labuta dos campos e outras tarefas pesadas.”
(CARDOSO, Ciro F. S.. “O trabalho na colônia”. In LINHARES, Maria Yedda (org.). História geral do Brasil. Rio de Janeiro, Campus, 1990.)

Os negros capturados na África eram conduzidos para o Brasil em navios negreiros chamados tumbeiros, em cujos porões eram amontoados, ficando sujeitos a condições tão insalubres que a taxa média de mortalidade era estimada entre 15 e 20%. Em cada navio eram carregados, em média, entre 200 e 700 negros.
Calcula-se que, somente no século XVI, cerca de 1 milhão de negros foram enviados como escravos para os diversos empreendimentos coloniais americanos e, até o século XIX, não menos de 25 milhões foram capturados pelos brancos e deslocados para a América. Para o Brasil dirigiram-se perto de 40% dos escravos que vieram para a América.
Não seria exagero estimar que o número de vítimas envolvendo os escravos transportados e os que morreram na luta contra as incursões brancas ou por seus desdobramentos chegaria a algo próximo do triplo dos africanos deslocados para a América.
A maioria dos negros africanos trazida ao Brasil pertencia aos seguintes grandes grupos étnicos: bantos, capturados no Congo, Angola e Moçambique; os sudaneses, originários da Nigéria, Daomé e Costa do Marfim; e, em menor número, os maleses, sudaneses convertidos ao islamismo, entre os quais se destacavam os haussás, grupo sempre lembrado por sua constante insubordinação e continuadas revoltas. Os sudaneses dirigiram-se predominantemente para a Bahia e os bantos, para Pernambuco, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

A exploração do negro africano foi sempre acompanhada de constantes atos de rebeldia, desde tentativas de assassinato de feitores e senhores até fugas e, mesmo, suicídios. Os negros que fugiam eram perseguidos pelos capitães-do-mato, e muitos dos que não eram recapturados acabavam organizando comunidades negras livres, chamadas quilombos. Existiram mais de cem quilombos espalhados por toda a colônia, especialmente no Nordeste, principal região econômica do Brasil, onde, até o século XVIII, se concentrava o maior número de escravos.

“Um quilombo é um esconderijo de escravos fugidos. É preciso distingui-lo dos verdadeiros movimentos insurrecionais organizados contra o poder branco. O quilombo quer paz, somente recorre à violência se atacado, se descoberto pela polícia ou pelo exército que tentam destruí-lo, ou se isto for indispensável à sua sobrevivência. Quilombos e mocambos são constantes na paisagem brasileira desde o século XVI. Reação contra o sistema escravista? Retorno à prática da vida africana ao largo da dominação dos senhores? Protesto contra as condições impostas aos escravos, mais do que contra o próprio sistema, espaço livre para a celebração religiosa? Os quilombos são tudo isso ao mesmo tempo. Eles surgem da própria instabilidade do regime escravista, do trabalho organizado sem qualquer fantasia, da severidade rígida, das injustiças e maltratos. Representam uma solução a todos os problemas de inadaptação do escravo aturdido entre a comunidade branca e o grupo negro. Brotam repentinamente mas com a força do número, numa sociedade de maioria negra e de organização política totalmente incapaz de impedir esse tipo de concentração marginal. Os quilombolas encontram sempre apoios e solidariedade que lhes possibilitam viver fora da sociedade. Contudo, o quilombo jamais é fruto de um plano premeditado; nasce espontaneamente, pode reunir num mesmo refúgio negros e criolos, escravos ou homens livres, vítimas de alguma lei discriminatória. Livres e forros do quilombo são frequentemente desertores, ladrões, assassinos, ou simplesmente homens aos quais foi negado o exercício de certas profissões. Assim uma população extremamente variada. Em geral, ela se esconde nas áreas rurais, em pontos de acesso difícil, longe das cidades, das estradas, das plantações. É o caso do célebre quilombo de Palmares, instalado no século XVII no interior do atual estado de Alagoas, pertencente à época à capitania de Pernambuco. O do famosíssimo mocambo do Pará, estabelecido por volta de 1820 a nordeste de Manaus, na floresta do rio Trombetas. Alguns quilombos, porém, formam-se mesmo às portas das grandes cidades. O baiano do Cabula, por exemplo, somente foi destruído, por uma expedição militar, no começo do século XIX, pois abrigava-se nas grotas e matas das colinas que cercam Salvador a nordeste. “
(MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo, Brasiliense, 1990.)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here